Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Monte Farinha

Em vez de "Caminho Novo" vai passar a chamar-se o sítio aonde essa antiga via conduz: Monte Farinha.

Monte Farinha

Em vez de "Caminho Novo" vai passar a chamar-se o sítio aonde essa antiga via conduz: Monte Farinha.

trilhos de peregrinos

30.01.10 | aquimetem, Falar disto e daquilo

         

 

          Hoje servido por uma óptima estrada, que no lugar de Sobreira de Atei entronca com a EN 312, antes disso o santuário de NS da Graça, ou ermida do Monte Farinha, era servido por trilhos como este que da vila de Mondim, pela Serra, Campos, Fonte da Costa, Capela do Fundo, do Meio e de Cima,  da acesso ao "Iteiro" da Senhora ou do Santinho (São Tiago). 

          Seria uma falta grave que se deixasse perder memoria destes percursos antigos que gerações sem conta conheceram e trilharam guiados pela fé cristã e devoção mariana. E muitos são os que em nossos dias também o fazem, digasse.

         Um melhor aproveitamento do troço entre a  Capela do Fundo e o Santuário que pode ser por exemplo dotar o espaço com uma via sacra ou algo que convide os peregrinos a percorrer essa área,  será uma mais valia para cativar e alimentar a permanência de quem nos visita.

          Enquanto  isso não acontece,  por não se pode chegar a tudo..., a Irmandade de NS da Graça, presidida pelo pároco de Vilar de Ferreiros, Sr. Padre Manuel Correia Guedes, coloca ao dispor dos apreciadores de belo e sedutor um site que vale a pena abrir: http://www.senhoradagraca.pt .

5 comentários

  • Só lá foi porque lhe dei um empurrão, caso contrário nem descobria imagens do trilho por onde tantas vezes caminhou e certamente rompeu solas dos sapatos que Deus lhe deu. Eu também por ali passei muitas vezes, mas para ir beber à Fonte do Ermitão e ver as imagens das capelinhas pelas grades, ou também atrás dos foguetes. Mas o meu trilho não era esse, mas o que vem do lado da montanha, do Nascente....O site é realmente muito bonito. Uma abraço.
  • Sem imagem de perfil

    mg

    31.01.10

    Eu também adorava espreitar pelas grades das capelinhas para ver as figuras dos santos que achava enormes e não só, também ficava entusiasmada com as moedas que haviam sempre lá pelo chão, imensas já para aquele tempo.Não sei se as pessoas ainda fazem isso...
    Realmente não tinha vindo ultimamente aqui ao post, confesso.
  • Lá com essa das moedas é que não me fico! Então ia ao Iteiro " para sujar a vista no vil metal? Eu contentava-me com ver as imagens e lançar os ramitos de flores lá para dentro e assim dar trabalho a quem varria as capelas. Também já não desço, nem subo esse troço há uns anitos , dai não saber se continuam a deitar lá moedas. Mas nesta altura se por lá passam certos visitantes as moedas não param lá muito tempo. E o pior é o prejuízo da porta arrebentada. Não sei se a ladroeira já chegou às nossas terras. Não moro lá. Bem haja .
  • Sem imagem de perfil

    mg

    01.02.10

    Mas naquele tempo as grades eram invioláveis, ninguém se atrevia a rebentá-las, e as moedas estavam do lado de lá claro. Era só o entusiasmo de olhar para elas e pensar quantos chocolates eu compraria a 10 tostões cada, no Carlos Alves.O sr. Carlos Alves vendia de tudo em Mondim: desde as bananas e ovos, passando por carne de porco salgada, sapatos , meias , chupa-chupas e chocolates...e etc...
    Era um romance, Mondim antigamente.Quero lá saber da civilização!!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.